VOCÊ CONHECE OS BENEFÍCIOS DO AZEITE DE OLIVA???????

 
OLÁ AMIGUINHAS QUE COMO EU,GOSTAM DE SE CUIDAR, TUDO BEM?????

Trouxe um texto ótimo, do pós-graduação em Nutrição Clinica Funcional sobre o alimento mais completo do mundo, quase PERFEITOOOO!!! 

O AZEITE EXTRA VIRGEM DE OLIVA!!!!

O azeite desta foto ganhou o Prêmio de primeiro lugar em qualidade!!!! Trouxe para compartilhar com vocês os bons alimentos que nos protegem de doenças cardiovasculares, potentes antioxidantes, saboroso, que tratam da beleza de dentro para fora.
O que se come deve estar em sintonia com o que você é!!!!

E quem gosta de se cuidar pela saúde, desacelerando o processo de envelhecimento, terá como consequência beleza e longevidade como ordem natural do processo!!!!



Mais uma super dica da sua nutricionista favorita Letícia Costa!! Boa leitura e beijokas!!

Texto elaborado pela Dra Carolina de Morais Luiz Pereira, aluna bolsista do curso de Pós-graduação em Nutrição Esportiva Funcional pela VP Consultoria Nutricional/ Divisão Ensino e Pesquisa.

A cada dia, novos estudos sobre o azeite mostram mais benefícios relacionados ao seu consumo frequente. Os povos da Mesopotâmia já utilizavam esse óleo há mais de 6 mil anos.

Na revista Saúde do mês de Novembro há uma reportagem relatando um novo estudo relacionado ao azeite de oliva extravirgem. O estudo do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica de Bordeaux, na França, provou que o óleo da azeitona atua na proteção do acidente vascular cerebral (AVC), o popular derrame. O estudo francês foi realizado com mais de 7 mil sexagenários e durou cinco anos. Na comparação dos resultados, os indivíduos que eram consumidores regulares do azeite apresentaram um risco 41% menor de um AVC.

Esse resultado pode ser explicado pela quantidade de substâncias antioxidantes presentes no azeite, como os compostos fenólicos e a vitamina E, compostos que ajudam a combater os radicais livres que estão relacionados com a degeneração celular e consequentes problemas decorrentes.

Os principais compostos do azeite já estudados e relacionados com efeitos positivos para a saúde são o tirosol e hidroxitirosol, as lignanas assim como os fitoesteróis e o beta-sitosterol, além da alta concentração de ácido oleico. As principais propriedades atribuídas ao azeite, decorrentes da presença desses compostos, são as possíveis ações antiaterogênica (demonstrada também no estudo citado acima), anticancerígena e hipotensora.

Outros estudos relacionados à utilização desse óleo demonstraram que uma pequena redução do consumo de gordura saturada, aliada ao uso do azeite de oliva extravirgem, reduz significativamente a dose necessária de medicamento anti-hipertensivo, justificando sua ação hipotensora – o que faz desse alimento um aliado no tratamento da hipertensão. Esse efeito deve-se possivelmente ao estímulo da produção de óxido nítrico realizado pelos polifenóis.

O azeite de oliva demonstra ser mais um aliado no tratamento da inflamação sistêmica relacionada à obesidade e síndrome metabólica, porque além de ser fonte de gordura monoinsaturada, seu conteúdo de compostos fenólicos possui efeitos benéficos nos lipídios plasmáticos e estresse oxidativo.

É importante lembrar que todos esses efeitos são decorrentes da utilização de azeite extravirgem de boa qualidade, que segundo a classificação da União Europeia, são aqueles com acidez abaixo de 0,8%, obtidos por meio da extração a frio e com prensagem no máximo 24horas após a colheita das azeitonas. O processamento do azeite de oliva influencia na concentração de antioxidantes. O azeite refinado, em função de seu processamento, perde uma parte desses compostos benéficos, mas mantém a mesma composição de ácidos graxos dos azeites virgens. Enquanto o azeite de oliva extravirgem possui 330mg de vitamina E/kg e compostos fenólicos diferentes, no azeite refinado as quantidades caem para 220 mg de vitamina E/kg e 80 compostos fenólicos, o que também diminui a estabilidade do produto em relação ao virgem.

Referência Bibliográfica

1. FERRARA, LA; et al. Olive oil and reduced need for antihypertensive medications. Arch Intern Med. v.160, p.837-842, 2000.

2. COVAS, MI; et al. The effect of polyphenols in Olive Oil on heart disease risk factors. Annals of Intern Med. v.145, p.333-341, 2006.

3. CAMARGO, A; et al. Expression of proinflammatory, proatherogenic genes is reduced by the Mediterranean diet in elderly people. Br J Nutr. v.15, p.1-9, 2011.

4. VOON, PT; et al. Diets high in palmitic acid (16:0), lauric and myristic acids (12:0 + 14:0), or oleic acid (18:1) do not alter postprandial or fasting plasma homocysteine and inflammatory markers in healthy Malaysian adults. Am J Clin Nutr. v.94, n.06, p.1451-1457, 2011.

5. VILLEGAS, SA; et al. The effect of the Mediterranean diet on plasma brain-derived neurotrophic factor (BDNF) levels: the PREDIMED-NAVARRA randomized trial. Nutr Neurosci, v.14, n.05, p.195-201, 2011.

6. CICERALE, S, LUCAS, L, KEAST, R. Antimicrobial, antioxidant and anti-inflammatory phenolic activities in extra virgin olive oil. Curr Opin Biotechnol. 2011.

7. BRIANTE, R; et al. Olea europaea L. leaf extract and derivatives: antioxidant properties. J Agric Food Chem, v.50, p. 4934-4940, 2002.

8. NAKBI, A; et al. Hypolipidimic and antioxidant activities of virgin olive oil and its fractions in 2,4-diclorophenoxyacetic acid-treated rats. Nutrition. v.28, n.01, p.81-91. 2011

9. BULLO, M; et al. Mediterranean diet and oxidation: nuts and olive oil as important sources of fat and antioxidants. Curr Top Med Chem. v.11, n.14, p.1797-810, 2011.

10. LUCAS, L, RUSSEL, A, KEAST, R. Molecular mechanisms of inflammation. Anti-inflammatory benefits of virgin olive oil and the phenolic compound oleocanthal. Curr Pharm Des. v.17, n.08, p.754-768, 2011.